Link para página

Coleção

A Coleção da Fundação Manuel Cargaleiro representa uma grande referência nacional e internacional pela sumptuosidade das obras de arte, incorporadas por doação de Manuel Cargaleiro. A Coleção evidencia uma grande versatilidade do artista, através das obras que criou, integrou e da pesquisa e aquisição de obras que desenvolveu, assumindo, ainda que de modo despretensioso e com fins didáticos, o papel de colecionador.

O objetivo genérico da Coleção segue naturalmente o percurso artístico de Manuel Cargaleiro, nas diversas fases de linguagens artísticas que atravessa, e nos contactos que realiza no decorrer da sua interação com o mundo da Arte. Para além das suas obras é expresso pelo artista um interesse em múltiplas perspetivas da criação artística, destacando-se a integração de diversos núcleos de obras de arte que remetem para áreas e épocas históricas distintas. É, por isso, marcante o trabalho de pesquisa e estudo que Manuel Cargaleiro permanentemente realiza, não só para desenvolver a sua produção artística como para estudar e conservar as obras de outros artistas nacionais e estrangeiros, enquadrando a Coleção da Fundação Manuel Cargaleiro num caso único no panorama nacional e internacional.

Referir a Coleção é referir o percurso artístico de Manuel Cargaleiro que se caracteriza pela relação intrínseca entre diferentes tipologias de arte: cerâmica, desenho, escultura, gravura, pintura, e têxteis. Porém, foi através da cerâmica que o mestre Cargaleiro se iniciou na prática artística ao frequentar a olaria de José Trindade, no Monte da Caparica, na década de 40. Destas primeiras experiências resultaram objetos simples e utilitários, moldados em barro com motivos em relevo.

Em 1946 na Fábrica Sant'Anna e, mais tarde, na Fábrica Viúva Lamego, explorou formas mais elaboradas. A decoração figurativa de algumas obras liga Manuel Cargaleiro a artistas renovadores da cerâmica portuguesa, como Hein Semke e Jorge Barradas, com quem colaborou. A primeira apresentação pública da sua obra ocorreu em 1949 no Palácio Foz em Lisboa, sede do Secretariado Nacional de Informação. Cultura Popular e Turismo (SNI). Entretanto, as cerâmicas do mestre Cargaleiro, a par das suas pinturas, afastaram-se da representação do mundo real para uma maior abstração.

Manuel Cargaleiro Manuel Cargaleiro2
Manuel Cargaleiro (1927-)
Figurinha, 1949
Faiança esmaltada a branco
20,5 x 14 cm [diâmetro da base]
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 798
Manuel Cargaleiro (1927-)
Caixinha, 1949
Barro vermelho policromado
8 x 10,5 x 5,5 cm [diâmetro da base]
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 2190

 

Nas pinturas de 1952 encontram-se motivos abstratos de contornos definidos, signos e geometrias, cores fortes e pinceladas gestuais. Em 1954, Manuel Cargaleiro conheceu Maria Helena Vieira da Silva e Árpád Szenes e realizou a sua primeira viagem a Paris. Tido como anos de transição, assinala o primeiro contacto do artista com o Abstracionismo da Segunda Escola de Paris. As obras de Manuel Cargaleiro enchem-se  agora de estruturas geométricas mais elaboradas, aliadas a ritmos de linhas gestualistas numa dinâmica raionista. No ano de 1957 fixou residência em Paris, onde partilhou um apartamento com Lourdes de Castro e René Bértholo. No ano seguinte realizou um estágio na Faiencerie de Gien, como bolseiro da Fundação da Calouste Gulbenkian. Em 1959, Manuel Cargaleiro adquiriu o seu atelier na Rue des Grands Augustins, 19, com a ajuda do seu amigo e galerista Édouard Loeb. No mesmo ano expôs na Galerie Édouard Loeb ao lado de artistas como Camille Bryen e Jean Arp, e contactou com Nathalie Gontcharova e Michel Larionov, influências que se fazem sentir na sua produção artística da década seguinte. 

Manuel Cargaleiro3 Manuel Cargaleiro4
Manuel Cargaleiro (1927-)
Estrela do Norte, 1952
Óleo sobre plátex
40 x 50 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 601
Manuel Cargaleiro (1927-)
Pássaros da Noite, 1952
Óleo sobre plátex
39,8 x 30 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 766

Durante a década de 60, Manuel Cargaleiro viu as suas peças serem expostas em países europeus como Suíça e Itália, mas também no Brasil e no Japão, colocando-o no panorama artístico internacional. Apesar destas deslocações e das idas a Portugal, foi em Paris que o Mestre Cargaleiro, viveu e produziu com maior intensidade. Entre 1960 e 1965, as suas pinturas e a cerâmica que produziu em Gien refletem a proximidade com o expressionismo francês e a amizade com o casal russo, Gontcharova e Larionov, precursores do Raionismo. Pinceladas espessas, manchas expressivas e o jogo de raios de luz e linhas de cores vibrantes são características destas peças. Entre 1965 e 1969, nas pinturas do artista desenvolvem-se estruturas biomórficas. Estas formas, irregulares e curvilíneas, são representações simplificadas de elementos da natureza como seixos e plantas. Nas obras de 1969 surgem composições preenchidas por formas geométricas simples que o artista irá desenvolver na década de 70.

Manuel Cargaleiro5 Manuel Cargaleiro6 Manuel Cargaleiro7
Manuel Cargaleiro (1927-)
Le Depart de l'Ombre, 1974
Litografia sobre papel
76 x 56,5 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 790
Manuel Cargaleiro (1927-)
Sem título, 1976
Desenho em pastel sobre papel
38 x 28 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 1869
Manuel Cargaleiro (1927-)
Estrela do Mar, 1983
Guache sobre papel
35,3 x 27,5 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 1849

O recurso à geometria é uma constante na obra de Manuel Cargaleiro desde a sua produção artística inicial. No entanto, foi na década de 70 que o artista explorou o geometrismo ao complementar estruturas simples, que utilizara anteriormente, com composições figurativas e abstratas. Neste sentido, formas geométricas são utilizadas na estilização de motivos vegetalistas, na construção de paisagens arquitetónicas e em padrões que aludem ao patchwork ou lembram painéis de azulejos. No entanto, de forma excecional, o mestre Cargaleiro quebra a rigidez e a formalidade características dos elementos geométricos ao aliá-los a uma dinâmica expressionista. Como tal, malhas geométricas são interrompidas por pinceladas espontâneas ou traços gestualistas e associadas a cores vibrantes ou a pontos de luz. Nesta década, Manuel Cargaleiro manteve a colaboração com a Faiencerie de Gien, que iniciara em 1958, onde realizou painéis de azulejos encomendados pelo Ministério da Cultura e Comunicação francês, entre 1971 e 1973.  

A década de 80 resume diversas características da produção artística de Manuel Cargaleiro. A pintura a óleo Patchwork de 1980 remete para as mantas de retalhos coloridos executadas por Ermelinda Cargaleiro, mãe do artista e tida como primeira influência na sua formação artística. A tapeçaria Porto à Beira Rio, realizada entre 1981 e 1985 comprova o fascínio do artista pelo tema das cidades e pelo recurso a malhas geométricas na elaboração destas estruturas arquitetónicas. A geometria continua a ser explorada, quer no jogo de perspetivas de Ariane Perdue, 1983, quer na desconstrução da composição de La Petite Exposition, 1986. Confirma-se a vontade contínua do artista em pintar sobre diferentes suportes, como tela, tábua de madeira, papel e cerâmica. A natureza mantém-se como incessante fonte de inspiração e representa o constante paralelismo que o artista faz entre a cerâmica e pintura. Motivos florais estilizados surgem simultaneamente em pinturas como na Composição nº 2, 1987, e em peças cerâmicas como no Pote de 1988.

Manuel Cargaleiro8

Manuel Cargaleiro (1927-)
Poema de José Tolentino de Mendonça, 2014
Óleo sobre tela
50 x 60 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 5000

 

Ao longo das décadas, a exploração da cor tornou-se uma das principais características da produção artística de Manuel Cargaleiro. Seja pintura, cerâmica ou têxtil, o artista utiliza a cor para definir formas, determinar estações do ano, revelar sentimentos ou para criar espaços múltiplos numa só composição. Como exemplo, nos anos 90, o estudo cromático surge no trabalho de luz e cor do óleo Mensagem tranquila e muito secreta no contorno de motivos vegetalistas do Triptyque Fleuri, ambos de 1990, ou ainda na ilusão de profundidade dos pratos de 1994. Em 1999, o Primeiro Grande Prémio Internacional "Viaggio attraverso la Ceramica" de Vietri sul Mare, em Itália, foi atribuído a Manuel Cargaleiro. Este momento representou o início de uma estreita relação entre o artista e a região, local com longa tradição de cerâmica. Em 2000, o artista começou a produzir cerâmica nas fábricas desse território que resultaram na criação de placas e painéis de azulejos notáveis pela sua dimensão e resistência. Manuel Cargaleiro encontrou em Vietri sul Mare uma sofisticação tecnológica ao seu dispor, uma nova fase na sua produção artística, um local onde pode inovar e inspirar artistas, alguns dos quais presentes na Coleção. Reconhecendo a importância do artista foi inaugurado em Vietri Sul Mare, no ano de 2004, um espaço museológico com o seu nome – Museo Artistico Industriale di Ceramica Manuel Cargaleiro, que em 2014 passa para novo espaço museológico, desta vez em Ravello, cidade na província de Salerno, na costa de Amalfi - região no sul de Itália, que em 2015 é reestruturado para Fundazione Museo Manuel Cargaleiro.

Em 2014 é inaugurado o equipamento cultural Oficina de Artes Manuel Cargaleiro, no concelho do Seixal, que pretende divulgar a obra de Manuel Cargaleiro, tendo em junho de 2016 a sua exposição inaugural A Essência da Forma com obras de Cargaleiro e de Siza Vieira, autor do projeto do edifício. No ano seguinte, em 2015, Manuel Cargaleiro recebe o Prémio Obra de Vida do projeto SOS Azulejo, dedicado à salvaguarda e valorização do património azulejar português e coordenado pelo Museu da Polícia Judiciária. Em 2016 Manuel Cargaleiro encontra-se representado em permanência na Helene Bailly Gallery, em Paris.

 

          

 

 

A Coleção da Fundação Manuel Cargaleiro compreende obras de Cerâmica, Desenho, Escultura, Gravura, Pintura, e Têxteis, apresentando assim uma grande diversidade da obra realizada e da obra adquirida que emerge e se cruza pelo notável percurso artístico de Manuel Cargaleiro.

Na Cerâmica encontram-se diversas obras ao nível da cerâmica portuguesa antiga e moderna, em que se insere a cerâmica de revestimento de diversas épocas e tipologias, possuindo a temática histórica da azulejaria portuguesa, desde o século XVI até à atualidade: azulejos hispano-árabes, azulejos de padrão (século XVII), azulejos de padrão pombalinos (século XVIII), azulejos de figura avulsa, azulejos de arte nova, para além da azulejaria modernista e contemporânea onde se encontram muitos dos painéis concebidos por Manuel Cargaleiro. Na faiança verificam-se a existência de centenas de exemplares dos principais centros históricos da faiança portuguesa, designadamente: Flor da Rosa - Crato, Redondo, Estremoz, Barcelos, Caldas da Rainha, Alcobaça, Juncal, Viana do Castelo, Aveiro, Coimbra, Real Fábrica do Cavaquinho, Fábrica de Massarelos, Miragaia, Real Fábrica de Cerâmica do Rato, Fábrica de Sacavém, Beja, entre outros. No plano internacional de faiança estão incorporadas obras de vários países, nomeadamente da Tunísia, da Turquia, de Espanha (Talavera), da Holanda (Delft), e de França em que se destaca um conjunto de quatro azulejos franceses do século XIII, de que apenas se conhece outro exemplar existente no Museu Nacional de Cerâmica de Sèvres. Ao nível da cerâmica moderna e contemporânea internacional existem centenas de obras de diversos ceramistas internacionais, entre os quais: Daniel de Montmollin, Robert Deblander, Claire Debril, Franck Rousseaux, Laurent Petit, Marc Uzan, John Albert Murphy, Francesco Raimondi, Ugo Marano, Rita de Nigris, entre muitos outros.

Nos núcleos de Desenho, Escultura, Gravura e Pintura as obras cruzam-se com os contactos pessoais e profissionais estabelecidos por Manuel Cargaleiro com algumas das figuras marcantes da arte moderna e contemporânea, em diversos estilos artísticos, ao nível nacional e internacional, desde Vieira da Silva e Arpad Szenes, Eduardo Luís, José Escada, Carlos Botelho, Mário Cesariny, Mário Botas, Nadir Afonso, Artur Bual, Júlio Resende, Hans Arp, Francis Smith, Nikias Skapinakis, André Lanskoy, Nathalie Gontcharova e Larionov, Marcelle Cahen, Sónia Delaunay, Vasarely, entre muitos outros artistas de referência na História da Arte.

Relativamente aos Têxteis, são de destacar algumas das obras de Manuel Cargaleiro com a produção da Manufactura de Tapeçarias de Portalegre, bem como as obras de Ermelinda Cargaleiro, que constam de tapeçarias em técnica patchwork e que já fizeram parte de diversas exposições nacionais e internacionais. É de realçar, nesta área dos Têxteis  o núcleo de fragmentos de tecido Copta, constituído por dezenas de peças que datam entre os séculos IV e XI, alguns anteriormente estudados e alvo de restauro pela Fundação Passos Canavarro e pelo Instituto José de Figueiredo, respetivamente.

Coleção de Cerâmica
Obras de Autor | Manuel Cargaleiro
1 Jarra 2 Painel De Azulejos 3 Faianca

Manuel Cargaleiro (1927-)
Jarra, 1957
Faiança polícroma
Produção "Fábrica Viúva Lamego"
54 x 26 x 18,5 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 1015

Manuel Cargaleiro (1927-)
Painel de azulejos, 1993
Cerâmica de Revestimento
Faiança polícroma
84,5 x 56,3 cm [86,6 x 58,3 cm]
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 2292

Manuel Cargaleiro (1927-)
Prato, 2000
Faiança
37 cm [diâmetro]
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 993

Obras de Coleção
4 Cabeca De Mulher 5 Hein Semke 6 Picador

Jorge Barradas (1894-1971)
Cabeça de mulher, ca.1954
Faiança polícroma
Produção "Fábrica Viúva Lamego"
28 x 19 x 15 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 2173

Hein Semke (1899-1995)
Sem título, 1954
Prato em barro moldado e polícromo
36 cm [diâmetro]
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 1020

Pablo Picasso (1881-1973)
Picador, s.d. (ca. 1953)
Prato em faiança policromada
Produção "Madoura"
24 cm [diâmetro]
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 17

Coleção de Desenho
Obras de Autor | Manuel Cargaleiro
1 Manuel Cargaleiro       Desenho Em Pastel    Desenho Em Tinta Da China    

Manuel Cargaleiro (1927-)
Sem título, 1959
Desenho em pastel sobre papel
18,6 x 13,7 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 2670

Manuel Cargaleiro (1927-)
Sem título, 1980
Desenho em pastel sobre papel
50 x 38 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 1952      

Manuel Cargaleiro (1927-)
Sem título, 2000
Desenho em tinta-da-china sobre papel
32 x 24 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 1884

Obras de Coleção
2 Almada Negreiros 3 Arpad Szenes 4 Le Souffle

Almada Negreiros (1893-1970)
Sem título, 1929-30
Desenho em grafite e tinta sobre papel
31,5 x 24 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 2164

Arpad Szenes (1897-1985)
Retrato de Vieira da Silva, 1930- 1960
Desenho em pena com tinta preta sobre papel
42,2 x 34,7 cm [34,3 x 26,8 cm]
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 524

Michel Seuphor (1901-1999)
Le souffle, 1956
Desenho em tinta-da-china sobre cartão
23,9 x 23,9 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 2100

Coleção de Escultura
Obras de Coleção
1 Danca 2 Danca 3 Franz Weissmann

Canto da Maia (1890-1981)
Música, s.d. (séc. XX)
Escultura em faiança
46,3 x 25,4 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 2912

Canto da Maia (1890-1981)
Dança, s.d. (séc. XX)
Escultura em faiança
43 x 23 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 2913

Franz Weissmann (1911-2005)
Sem título, s.d. (déc. 70)
Escultura em ferro 
61 x 32,5 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 3431

Coleção de Gravura
Obras de Autor |Manuel Cargaleiro
2 Rua Do Castelo 1 La Petite Fenetre       Carte De Voeux        

Manuel Cargaleiro (1927-)
Rua do Castelo, 1995
Serigrafia sobre papel Rives 250 gr
P/A, Edição Artista
49,8 x 32,9 cm [33,2 x 23 cm]
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 12

Manuel Cargaleiro (1927-)
La petite fenêtre, 1972
Serigrafia sobre papel
P/A, Ensaio para ilustração poema
29 x 26,3 cm [54,2 x 38,3 cm]
Inventário n.º FMC-A 242

  Manuel Cargaleiro (1927-)
Carte de Voeux, 1991
Pouchoir a 9 cores sobre papel Arches  220 gr
V/XX, Edição Artista
20,2 x 13,2 cm [30 x 21 cm]
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 23

Obras de Coleção
1 Raoul Ubac             Gravura A Buril Sobre Papel               Composition Grise

Raoul Ubac (1910-1985)
Sem título, 1978
Água-forte sobre papel
56/60
18,6 x 11,2 cm [28,3 x 22 cm]
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 516

Anton Prinner (1902-1983)
Sem título, 1933
Gravura a buril sobre papel
Ed. 20/30, Edição Artista
10,5 x 31,5 cm [28,5 x 44,6 cm]
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 2114

Serge Poliakoff (1900-1969)
Composition grise, verte er bleue, 1966
Litografia sobre papel Rives
Ed. num. romana V/XX, Edição Artista
48,5 x 63,5 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 2108

Coleção de Pintura
Obras de Autor |Manuel Cargaleiro
1 Manuel Cargaleiro 2 Manuel Cargaleiro 3 The Windows Of The Night

Manuel Cargaleiro (1927-)
Sem título, 1973
Óleo sobre tela
100 x 73,2 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 591

Manuel Cargaleiro (1927-)
Sem título, 1973
Óleo sobre cortiça
42 cm [diâmetro]
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 621

Manuel Cargaleiro (1927-)
The windows of the night, 1981
Óleo sobre tela
81 x 65,2 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 573

            

Obras de Coleção
1 Ecrivez Vous 2 Transatlantique               3 Sonia Delaunay

Mário Botas (1952-1983)
Ecrivez-Vous - XXXIII, 1978
Aguarela sobre papel
26 x 18 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 4524

Nadir Afonso (1920-2013)
Transatlantique, 1971
Óleo sobre tela
76 x 115 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 1052

Sonia Delaunay (1885-1979)
Sem título, s.d. (déc. 60)
Guache sobre papel
36 x 54 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 2170

              

3 As Tres Gracas 5 Zao Wou Ki         Oleo Sobre Tela      

Marcelle Cahn (1895-1981)
As Três Graças, s.d. (séc. XX)
Óleo sobre cartão
22 x 27 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 4521

Zao Wou-Ki (1921-2013)
Sem título, 1997
Guache e tinta-da-china sobre papel
60,6 x 57 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 1776

Bernard Dufour (1922-2016)
Sem título, 1957
Óleo sobre tela
146 x 115 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 786 

Coleção de Têxteis
Obras de Autor |Manuel Cargaleiro
1 Porto A Beira Rio 2 Le Signal Des Fleures                Capelas Imperfeitas  

Manuel Cargaleiro (1927-)
Porto à Beira Rio, 1981-1985
Tapeçaria em lã
Produção "Manufactura de Tapeçarias de Portalegre"
165 x 200 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 1

Manuel Cargaleiro (1927-)
Le Signal des Fleures, 1980
Tapeçaria em lã, ponto kelim 48/120
Produção "Fortunato Silvério, Lda."
87,6 x 149 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 3

Manuel Cargaleiro (1927-)
Capelas Imperfeitas, 1984
Tapeçaria em lã, Edição Artista
Produção "Fortunato Silvério, Lda."
114 x 263,5 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-A 9

Obras de Coleção
3 Ermelinda Mendes 4 Le Chat Roi 5 Fragmento De Tecido Copta

Ermelinda Mendes Cargaleiro (1899-1988)
Sem título, 1957
Colcha em lã, patchwork
218 x 170 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 2134

Corneille (1922-2010)
Le Chat Roi, 2001
Tapeçaria em lã
215 x 219 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 1046

Autor desconhecido, Egipto
Fragmento de tecido Copta, s.d. (séc. V)
Tafetá com tramas lassadas em linho crú
18,5 x 22 cm
Col. Fundação Manuel Cargaleiro |FMC-C 4463

A Coleção da Fundação Manuel Cargaleiro indubitavelmente reflete o percurso artístico de Manuel Cargaleiro, desde os finais da década de 40 até à atualidade, estando também nela representados mais de três centenas de artistas, de nacionalidade portuguesa e estrangeira, e que de um modo geral integram o círculo de amigos do artista e/ou se destacam no interesse do estudo de Manuel Cargaleiro.

Na Coleção da Fundação Manuel Cargaleiro regista-se grande núcleo de obras da autoria de Manuel Cargaleiro como também a representação muito significativa de mais de trezentos artistas, de nacionalidade portuguesa e estrangeira. Ainda que uma grande parte desses autores se integre no círculo de amizade do mestre Cargaleiro muitos outros estão representados na Coleção devido ao contínuo interesse de Manuel Cargaleiro pela Arte, pela História, pela Cultura e pelo Colecionismo. Também de realçar que nesta representação se encontram importantes núcleos de oficinas e de ateliers, designadamente na área da Cerâmica e da Gravura, que apresentam obras que resultaram de trabalhos conjuntos de vários artistas.

 

Artistas representados

 

A

AFONSO, Nadir (1920-2013)

AGAM, Yaacov (1928-)

ALARCÃO, Eduardo (1930-2003)

ALECHINSKY, Pierre (1927-)

ALLEAUME, Ludovic (1859-1941)

ALMADA NEGREIROS, José Sobral de (1893-1970)

ALVES DE SÁ, João (1878-1972)

ALVES, Armando (1935-)

ALVES, Victor (1959-)

AMORIM, Manuel (1950-)

ANTÚNEZ, Nemesio (1918-1993)

APPEL, Karel (1921-2006)

ARAÚJO, António (1932-)

AREAL, António (1934-1978)

ARP, Jean (1887-1966)

ARTUR JOSÉ (1932-2010)

ASTOUL, Éric (1954-)

ATLAN, Jean-Michel (1913-1960)

ATTALI, Jean (1937-)

AUSCHER, Jean (1896-1950)

AUTUORI, Salvatore (1946-)

AVELAR, Pedro (1945-)

AZAÏS, Jean-Paul (1952-)

 

B

BALDACCINI, César (1921-1998)

BANDEIRA, António (1922-1967)

BAPTISTA, Manuel (1936-)

BARATA, João (1918-1984)

BARRADAS, Jorge (1894-1971)

BARROS, Augusto (1929-1998)

BAZAINE, Jean René (1904-2001)

BEATRIZ, Maria (1940-)

BEERI, Tuvia (1929-)

BEFELEIN, Alexander (1952-)

BELÉM, Victor (1938-2015)

BELLAN, Claude (1933-)

BENRATH, Frédéric (1930-2007)

BENTES, Manuel (1885-1961)

BERTHOLLE, Jean (1909-1996)

BÉRTHOLO, René (1935-2005)

BERTINO (1928-2014)

BIANCINI, Angelo (1911-1988)

BISSIÈRE, Roger (1886-1964)

BOFILL, Maria (1937-)

BOST, Jérôme (1942-)

BOTAS, Mário (1952-1983)

BOTELHO, Carlos (1899-1982)

BOUMEESTER, Christine (1904-1971)

BRAQUE, Georges (1882-1963)

BRAUMANN, Max (1880-1969)

BRITTON, Alison (1948-)

BRONZE, Francisco (1936-)

BRUNET, Franck (1970-)

BRYEN, Camille (1907-1977)

BUAL, Artur (1926-1999)

 

C

CAHN, Marcelle (1895-1981)

CAILLAUD, Aristide (1902-1990)

CALHEIROS, Luís (1952-)

CAMPOS, Susana (1967-)

CANTO DA MAIA, Ernesto (1890-1981)

CARGALEIRO, Ermelinda Mendes (1899-1988)

CARGALEIRO, Manuel (1927-)

CARREIRO, Carlos (1946-)

CARRERA, Carmine (1930-1994)

CARUSO, Enzo (1944-)

CARYBÉ (1911-1997)

CASQUILHO, Guilherme (1930-1991)

CASTEL-BRANCO, Dorita de (1936-1996)

CASTRO, José Augusto (1962-)

CASTRO, Lourdes (1930-)

CASTRO, Sérgio de (1922-2012)

CECÍLIA de Sousa (1937-)

CENTENO, Sobral (1948-)

CESARINY, Mário (1923-2006)

CHAMPY, Claude (1944-)

CHAMPY-SCHOTT, Nani (1959-)

CHAPUIS, Pierre (1863-1942)

CHARCHOUNE, Serge (1889-1975)

CHARRUA, António (1925-2008)

CHÁVEZ, Gerardo (1937-)

COHEN, Michel (1958-)

CONORD, Philippe (1932-)

CONSTANTINO, Eduardo (1948-)

COPPEL, Jeanne (1896-1971)

CORNEILLE (1922-2010)

CORREGAN, Daphné (1954-)

COSTA CAMELO (1924-2008)

COSTA PINHEIRO (1932-2015)

COSTA, Maria Celeste (1939-)

COURTIN, Pierre (1921-2012)

CRETEN, Johan (1963-)

CRUZ, Maria Adelaide de Lima (1908-1985)

CRUZEIRO SEIXAS (1920-)

CUNHA, António Alves (1856-1941)

CUTILEIRO, João (1937-)

 

D

D´ASSUMPÇÃO, Manuel (1926-1969)

D'ACUNTO, Antonio (1964-)

D'ALMADA, Francisco (1946-)

DAROCHA, Z. L. (1945-)

DAUPHIN, Raymond (1910-1985)

DAVIES, Terry (1961-)

DE NIGRIS, Rita (1964-)

DEBLANDER, Robert (1924-)

DEBRIL, Claire (1927-)

DEFER, Bernard (1952-)

DELAUNAY, Robert (1885-1941)

DELAUNAY, Sónia (1885-1979)

DELSOL, Edmée (1939-)

DESSAUVAGE, Tjok (1948-)

DEVERS, Robert (1960-)

DINOU, Julien (1895-1983)

DOIX, Jean-Michel [1947-)

DÖLKER, Richard (1896-1955)

DOMJAN, Joseph (1907-1992)

DOUGET, Yvon le (1953-)

DOURADO, Cipriano (1921-1981)

DUARTE, Gonçalo (1935-1986)

DUBUC, Philippe (1947-)

DUBUFFET, Jean (1901-1985)

DUFOUR, Benard (1922-2016)

DUMONT, LESLEY (1944-)

DUROSELLE, Xavier (1962-)

 

                 

ELISEU, José (1957-)

EMERENCIANO (1946-)

ERNST, Max (1891-1976)

ESCADA, José (1934-1980)

ESMERALDO, Sérvulo (1929-)

ESPIGOLÉ, Francesc (1946-)

 

                 

FARIA, Estrela (1910-1976)

FARIA, José (1940-)

FEHER, Georges (1929-2015)

FEITO, Luís (1929-)

FELICIANO, João Paulo (1963-)

FERREIRA, David Mourão (1927-1996)

FERREIRA, José Gomes (1900-1985)

FERREIRA, Victor (1948-)

FINI, Leonor (1908-1996)

FISCHER, Wayne (1953-)

FISCINA, Wanda (1938-)

FITREMANN, Gérard (1946-)

FORAIN, Jean-Louis (1852-1931)

FORTES, Vítor (1943-)

FOUILHOUX, Jean-François

FRANCHINI, Antonio (1923-2006)

FRASCA, Gabriele (1957-)

FREI MIGUEL (1897-1985)

FREUNDLICH, Otto (1878-1943)

FRIEDLAENDER, Johnny (1912-1992)

 

G                 

GACHON, Pol (1943-)

GALVIN, Jérôme (1975-)

GAMBONE, Guido (1909-1969)

GANZ, Fedor (1910-1983)

GARDELLE, Michel (1949-)

GARESIO, Clara (1938-)

GÉRARD, Jean-Nicolas (1954-)

GIREL, Jean (1947-)

GLÜCK, Félix (1923-1981)

GOETZ, Henri (1909-1989)

GONTCHAROVA, Nathalie (1881-1962)

GUERRIER, Marie Laure (1955-)

GUIMARÃES, José de (1939-)

 

H                 

HADJÚ, Étienne (1907-1996)

HAGUIKO, Fukuyama (1948-)

HARTUNG, Hans (1904-1989)

HÉDÉ, Armel (1955-)

HERBIN, Auguste (1882-1960)

HERMANS, Valérie (1959-)

HJORTH-JENSEN, Svein (1946-)

HOFT, Didier (1957-)

HOGAN, João (1914-1988)

 

                  

ISIDORO, Jaime (1924-2009)

 

J                   

JACQUINOT, Jean (1944-)

JOÃO CARLOS (1899-1960)

JORGE, Alice (1924-2008)

JOSÉ AUGUSTO (1922-2005)

JOSÉ JÚLIO (1916-1963)

JUÁREZ, Claudio (1938-2001)

 

K                  

KANDINSKY, Wassily (1866-1944)

KEIL, Maria (1914-2012)

KEMPENAERS, Vincent (1959-)

KENNEY, Douglas (1962-)

KERN, Georg (1914-?)

KLUG, Helena (1930-)

KOLOS-VARY, Sigismond (1899-1983)

KOSNIK-KLOSS, Jeanne (1892-1966)

 

L

LACERDA, Alberto de (1928-2007)

LAGOA HENRIQUES (1923-2009)

LAM, Wifredo (1902-1982)

LAMBERT, Henriette (1925-)

LANSKOY, André (1902-1976)

LAPA, Álvaro (1939-2006)

LAPICQUE, Charles (1898-1988)

LAPOUJADE, Robert (1921-1993)

LARANJO, Francisco (1955-)

LARIONOV, Michel (1881-1964)

LARPENT, Agathe (1946-)

LAUBIÈS, René (1924-2006)

LEGRAND, Jean Claude (1948-)

LEGROS, Jean (1917-1981)

LEITE RIO, Luís (1956-)                                   

LESCOT, Danielle (1953-)

LHOTE, André (1885-1962)

LIBA, Moshé (1931-)

LIGUORI, Domenico (1965-)

LIGUORI, Lucio (1958-)

LIGUORI, Pasquale (1964-)

LIMA DE FREITAS, José (1927-1998)

LINDSTRÖM, Bengt (1925-2008)

LINO ANTÓNIO (1898-1974)

LUÍS, Jacinto (1945-)

LUIZ, Eduardo (1932-1988)

 

M

MACEDO, Dimas (1928-2009)

MACRIS, Constantin Georges (1917-1984)

MAGNELLI, Alberto (1881-1971)

MALANGATANA (1936-2011)

MALUDA (1934-1999)

MAN RAY (1890-1976)

MANESSIER, Alfred (1911-1993)

MANZ, Bodil (1943-)

MARANO, Ugo (1943-2011)

MARIA CECÍLIA (1928-)

MARIA GABRIEL (1937-)

MARIA MANUELA (1948-)

MARQUES, Benjamim (1938-2012)

MARTINS CORREIA (1910-1999)

MARTINS, Jorge (1940-)

MATEOS, Francisco (1894-1976)

MATEUS, Tomás (1918-1979)

MATISSE, Henry (1869-1954)

MATTA, Roberto (1911-2002)

MENDONÇA, Mafalda (1988-)

MENEZ (1926-1995)

MESTRE, Enrique (1936-)

MESTRE, Pierre (1919-2007)

MIRÓ, Joan (1893-1983)

MOHR, Manfred (1938-)

MOHY, Yves (1925-2004)

MONTMOLLIN, Daniel de (1921-)

MOREIRA, Albino José (1895-1994)

MORÉTEAU, Jules-Louis (1886-1956)

MORTENSEN, Richard (1910-1993)

MOURATO, Henrique (1947-)

MUNCH, Bernard (1921-)

MURPHY, John Albert (1949-)

 

N

NADAL, Emília (1938-)

NARCISO, José (1957-)

NERY, Eduardo (1938-2013)

NESBITT, Jorge (1947-2008)

NOEL, Georges (1924-2010)

NORONHA DA COSTA, Luís (1942-)

NORVICK, Jorge (1932-)

 

O

OSSIÃO, Paulo (1952-)

 

P

PALOLO, António (1946-2000)

PAPAZOFF, Georges (1894-1972)

PARENTE, Guilherme (1940-)

PASQUER, Nadia (1940-)

PAVIA, Manuel Ribeiro de (1907-1957)

PEARSON, Colin (1923-2007)

PEIXOTO, António (1944-)

PELÁ, Mozart (1936-)

PÉNICAUD, Brigitte (1954-)

PENICHE GALVEIAS (1890-1975)

PEREIRA, José (1940-)

PÉREZ, Gustavo (1950-)

PÉSSIMO, Alberto (1953-)

PETERS, Johannes (1966-)

PETIT, Laurent (1962-)

PICASSO, Pablo (1881-1973)

PIGNON, Edouard (1905-1993)

PILLET, Edgard (1912-1996)

PIMENTEL, António (1935-1998)

PINHÃO, Sérgio (1949-)

PINHO DINIS, Joaquim (1921-2007)

PIROZZI, Giuseppe (1934-)

PIZA, Arthur Luiz (1928-)

PLAT, Jerôme (1943-)

POLIAKOFF, Serge (1900-1969)

POMAR, Júlio (1926-)

POMAR, Vítor (1949-)

POSSOZ, Mily (1888-1968)

POTIER, Vincent (1954-)

PRINNER, Anton (1902-1983)

PROCIDA, Francesco (1938-)

 

Q

QUADROS, António (1933-1994)

QUERUBIM LAPA (1925-2016)

QUINCHEZ, Gérard (1949-)

QUITO, Mariana (1928-2003)

 

R

RADULESCU, Magdalena (1902-1983)

RAIMONDI, Francesco (1959-)

RAMOS, José Joaquim (1881-1972)

REICHEL, Hans (1892-1958)

RELÓGIO, Francisco (1926-1997)

RESENDE, Júlio (1917-2011)

RIBEIRO, Rogério (1930-2008)

ROBERT, Matthieu (1962-)

ROCHA, Carlos (1943-)

RODRIGUES, José (1936-2016)

ROKKJÆRS, Inger (1934-)

ROLLET, Patrick (1950-)

ROUAULT, Georges (1871-1958)

ROUSSEAUX, Franck (1950-2010)

 

S

SAMARCHI, Hashim (1939-)

SANTA-BÁRBARA, José (1936-)

SARMENTO, Julião (1948-)

SCHEID, Karl (1929-)

SCHEID, Ursula (1932-2008)

SCHEUERER, Jul. (1859-1913)

SEGUI, Antonio (1934-)

SEMKE, Hein (1899-1995)

SEQUEIRA, Rico (1954-)

SERVADEI, Dante (1936-)

SEUPHOR, Michel (1901-1999)

SIDANER, Henri Le (1862-1939)

SIESBYE, Alev Ebuzziya (1938-)

SILVA, Henrique (1933-)

SIQUEIRA, Nuno (1929-2007)

SIZA VIEIRA, Álvaro (1933-)

SKAPINAKIS, Nikias (1931-)

SLIMANE, Khaled Ben (1951-)

SMITH, Francis (1881-1961)

SOARES, António (1894-1978)

SOTTSASS, Ettore (1917-2007)

SOUSA FELGUEIRAS (1930-)

SOUSA, Ângelo de (1938-2011)

SOUSA, Teresa (1928-1962)

STAËL, Hansi (1913-1961)

STARITSKY, Anna (1908-1981)

STEINLEN, Théophile Alexandre (1859-1923)

STOCKINGER, Francisco (1919-2009)

STÖCKLEIN, Andreas (1957-)

STOCKMANS, Piet (1940-)

SYBESMA, Georges (1960-)

SZASZ, Paul (1912-1969)

SZÈNES, Arpad (1897-1985)

 

T

TAHON, André  (1931-2009)

TAL-COAT, Pierre (1905-1985)

TARSNANE, Terence (1939-)

TAVARES, Henrique (1905-1988)

TELLES, Sergio (1936-)

TENREIRO, Joaquim (1906-1992)

TEULIÈRES, Patrice

TINGUELY, Jean (1925-1991)

TUTUNDJIAN, Léon Arthur (1906-1968)

 

U

UBAC, Raoul (1910-1985)

UZAN, Marc (1955-)

 

V

VALE, Yola (1975-)

VANIER, Catherine (1943-)

VARLAN, Claude (1940-)

VASARELY, Victor (1906-1997)

VESPEIRA, Marcelino (1925-2002)

VIANA, António (1947-)

VICARI, Alessandro (1960-)

VIEIRA DA SILVA, Maria Helena (1908-1992)

VIEIRA, João (1934-2009)

VINCENT (1963-)

VIROT, Camille (1947-)

VITALINO Pereira dos Santos (1909-1963)

VITERI, Oswaldo (1931-)

VOSS, Jan (1936-)

 

W

WEISSMANN, Franz (1911-2005)

WOLHWILL, Gretchen (1878-1962)

WOODMAN, Betty (1930-)

WOU-KI, Zao (1920-2013)

 

Z

ZACK, Léon (1892-1980)

ZAGALLO, José (1937-2000)

ZAULI, Carlo (1926-2002)

ZÜRCHER, Maja (1945-1997)

 

entre outros.